Publicado em 01 de Fevereiro de 2017 as 18:47.

Nervos à flor da pele e falta de atenção podem ser sinais de dívida. E quem está cobrando é o seu sono. É verdade que uma única noite mal dormida pode ser recuperada na noite seguinte. O problema é quando isso não ocorre e as horas a menos de sono vão se acumulando.

O resultado da falta do descanso necessário para o nosso corpo é uma série de problemas de saúde. Alguns efeitos são rapidamente notados, como o estresse. A falta de sono produz consequências, muitas delas graves, em todo nosso organismo. 

O grande problema é privação crônica de sono, que se estende por dias, meses e anos. Estudos mostram que problemas físicos, mentais e emocionais podem ocorrer em médio e longo prazo.” 

Luciano Ribeiro, neurologista e presidente da Associação Brasileira do Sono 

Quem acorda cedo, vai dormir tarde e espreme o tempo de sono no período que resta antes do despertador tocar acaba em dívida com o travesseiro –o nome dado para isso é restrição de sono. Quem mais sofre são os trabalhadores noturnos, que possuem o que é chamado de privação de sono. 

Dormir é um comportamento fundamental para sobrevivência. Isso porque nosso corpo funciona de acordo com os ritmos circadianos, regulados pelos momentos de vigília e de sono. É o nosso relógio biológico. Quando começa a escurecer, a temperatura do nosso corpo baixa, e a redução da luminosidade induz a produção de melatonina, hormônio que prepara nosso sono. 

Existem evidências de que a diminuição da quantidade de sono eleva o risco de aumento de pressão arterial, que pode ocasionar infarto agudo do miocárdio, além de outras doenças.”

Varar a madrugada e acordar tarde – o famoso “trocar o dia pela noite” – também bagunça nosso relógio biológico. Isso porque o sono durante o dia não possui a qualidade do sono da noite. Assim, não conseguimos o tempo suficiente para o descanso do corpo promovido pelo repouso e para a faxina da mente feita pelos sonhos.

“As pessoas acham que não precisam dormir, e não dão valor ao sono como dão a outras coisas, como aos exercícios físicos”, diz Cláudia Moreno, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP.

QUANTAS HORAS POR NOITE?

“As pesquisas indicam que dormir menos do que 5 h em média aumenta as chances de doenças cardiovasculares”, afirma Lorenzi. Segundo ele, o efeito da falta de sono em um ataque cardíaco não é imediato.

Contudo, é grande a frequência de problemas cardíacos que surgem quando a pessoa esta passando por período de noites mal dormidas. Um recente estudo feito na Alemanha mostrou que a privação de sono sobrecarrega o coração. 

A necessidade de sono varia com a idade e de pessoa para pessoa. Bebês e adolescentes precisam dormir bem mais do que adultos. E a regra de um mínimo de 8 horas de sono não é universal. 

Em média, a quantidade de sono ideal seria por volta de 7 horas. 

“Algumas pessoas se sentem bem com 6 horas de sono. Acordam sem sonolência, bem-dispostas, não sentem sono durante o dia”, diz Moreno. Mas se não é esse seu caso, é porque deveria gastar mais algumas horinhas na cama. 

Matéria completa 

Fonte: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2017/01/30/dividas-com-o-proprio-sono-causam-diversos-problemas-de-saude.htm

Compartilhar nas Redes Sociais