Av. Dr. Carlos Rodrigues da Cruz, 401 - Capucho, Aracaju - SE, 49081-083

Cientistas editam DNA para curar doença cardíaca em embriões

invitro02

Uma técnica, chamada de CRISPR-Cas9, foi aplicada em embriões humanos – e “consertou” o DNA com sucesso em vários casos

Pela primeira vez em solo norte-americano, cientistas usaram a técnica de edição genética CRISPR-Cas9 (já vamos explicá-la) para modificar embriões humanos. O objetivo era corrigir uma mutação em um gene, o MYBPC3, responsável por uma doença chamada cardiomiopatia hipertrófica.

Os embriões serão descartados, porque a legislação da maior parte dos países proíbe a gestação de bebês geneticamente modificados. Polêmicas à parte, o sucesso no laboratório é um marco para a medicina. Vale destacar que a cardiomiopatia hipertrófica afeta uma em cada 500 pessoas, e é a principal causa de morte repentina entre atletas jovens.

Para gerar os embriões usados no experimento, a equipe de Hong Ma, da Universidade de Ciência e Saúde de Oregon, nos EUA, uniu óvulos saudáveis aos espermatozoides de um homem com a doença. Em uma situação normal, com pai doente e mãe saudável, 50% das crianças dessa relação nasceriam com o problema no coração.

Aplicando aquela técnica de edição de DNA durante a fertilização, os cientistas conseguiram curar 42 dos 58 embriões. Caso essas gestações fossem levadas para frente, portanto, 72% dos bebês nasceriam saudáveis, e só 28% teriam a doença. Os resultados foram publicados na Nature.

“Esses resultados são um grande avanço”, afirmou ao The Guardian Richard Hynes, geneticista do MIT que não participou do estudo. “Isso traz a técnica de edição genética mais perto dos testes clínicos. Mas ainda há muito trabalho a ser feito.”

Os autores do estudo concordam. “Ainda há barreiras regulatórias demais nos Estados Unidos para sequer começar a considerar uma gestação. O público terá muito tempo para pensar se isso deve mesmo ocorrer”, afirmou Alta Charo ao New York Times.

Afinal, o que é CRISPr-Cas9?

Grosso modo, é o nome de uma dupla de proteínas. Elas funcionam assim: quando uma bactéria é atacada por um vírus e sobrevive para contar a história, ela guarda pequenos trechos do código genético dele para identificá-lo no futuro. Precaução, como andar por aí com a foto de um serial killer no bolso para reconhecê-lo na rua.

Se essa bactéria for ameaçada pelo mesmo vírus no futuro, ela libera uma proteína que picota o DNA do invasor como uma tesoura. Acontece que a medicina percebeu que esse método de identificação e ataque pode ser usado para cortar qualquer molécula de DNA, não só as de vírus perigosos. “Basta” programar a proteína para caçar o gene problemático, e então substituir o trecho com a mutação por uma versão corrigida.

Além das óbvias objeções éticas e religiosas, a técnica enfrenta dois problemas práticos. Um é garantir que todas as células do organismo que está passando pela terapia sejam modificadas uniformemente – não adianta curar só metade do embrião.

Outro é evitar efeitos colaterais. Uma molécula de DNA é feita de longas sequências de bases nitrogenadas – as famosas letras A, T, C e G. Se um gene com uma mutação tiver uma sequência de letras muito parecida com a de um gene saudável, a proteína pode errar o alvo, causando alterações imprevisíveis e potencialmente perigosas no material genético.

 

Os cientistas conseguiram evitar o segundo problema – de longe o mais perigoso – no estudo da última quarta-feira. Afinal, um tratamento que tem chances de não funcionar é algo bastante aceitável, mas um que causa doenças piores do que as que está tentando resolver, não.

Antes da equipe de Oregon, médicos de universidades chinesas já haviam modificado embriões humanos usando CRISPR-Cas9 – mas todos os experimentos, em maior ou menor escala, acabaram tropeçando em um dos dois problemas acima.

Além disso, com o aperfeiçoamento da técnica, novos problemas estão surgindo. Um deles é obrigar as células a usarem o parâmetro de correção fornecido pelos cientistas para fazer a “manutenção” no gene que está com problemas.

No experimento norte-americano, dos 42 embriões curados, 41 ignoraram as bases nitrogenadas fornecidas pelos cientistas, e usaram os genes das células maternas saudáveis para corrigir o problema – um caminho diferente para alcançar a mesma solução, em que a célula percebe que há algo errado graças à intervenção médica, mas resolve o problema por conta própria.

 

Esté conteúdo foi publicado originalmente na Superinteressante.com

Cientistas editam DNA para curar doença cardíaca em embriões